Bagavadeguitá, Nonell & Instituto Gita, Vivekananda

O Bagavadeguitá não é um Livro dogmático



Deveríamos aceitar algum dogma no Bagavadeguitá? Não, é autoconhecimento

Como estudar o Bagavadeguitá

Responder a esta pergunta certamente exigiria um ensaio inteiro, mas de forma muito geral, podemos afirmar que a grande maioria dos especialistas concorda com a afirmação de que o Bagavadeguitá não é um livro dogmático.

É claro que toda a parte do Bagavadeguitá relacionada ao autoconhecimento do ser humano não pode ser um dogma, pois o próprio homem pode realizá-lo em sua própria vida (Realização do Bagavadeguitá).

Espiritualidade, religião e Bagavadeguitá

Bagavadeguitá em Inglês The Bhagavad Gita is not a dogmatic book Bagavadeguitá em Espanhol Dogmas Bhagavad Gita

No final do Bagavadeguitá, Sri Krishna diz a Arjuna:

A maior lição da Carmaioga (Filosofia) no Bagavadeguitá: Sri Krishna
A maior lição da Carmaioga (Filosofia) no Bagavadeguitá: Sri Krishna
Gita XVIII- Ioga da Libertação através da Renúncia-63.

Ou seja, Sri Krishna transmite seu Jnana (Conhecimento), pede a Arjuna que medite (Dhyana) sobre tudo isso, e então decida por si mesmo como agir (Carmaioga). Ou seja, ele não impõe nenhum tipo de dogma a Arjuna. É muito semelhante ao livre arbítrio católico.

Certamente o conceito de Atman, definido no capítulo II- Sânquia-ioga (Filosofia da Ioga), pode ser considerado um dogma. Mas não deveria ser, já que muitos sistemas espirituais também possuem algo semelhante ao conceito de alma. Certamente um ateu deve considerar isso um dogma. Embora esta observação sobre Atman tivesse que ser bastante qualificada.

Bagavadeguitá II-22 Atman rejeita os corpos como o homem a roupa
Bagavadeguitá II-22 Atman rejeita os corpos como o homem a roupa (Filosofia da Ioga)

Talvez o conceito de que Deus habita em todos os seres possa ser dogmático:

«Eu sou o Atman (Eu) que habita no coração de cada ser, ó Gudakesha, Eu sou o começo, o meio e o fim de todos os seres» Bagavadeguitá X- Ioga das Manifestações Divinas-32

Mas muitos outros sistemas afirmam a mesma coisa, por exemplo, o Cristianismo diz “O Reino de Deus está dentro de você”. Em qualquer caso, através da elevada filosofia da Jnana-ioga é possível concretizar este conceito sem a necessidade de admiti-lo como dogma.

Embora Sri Krishna explique a teoria da reencarnação, talvez ela possa ser considerada um dogma. De qualquer forma, embora a reencarnação seja fundamental no quadro filosófico do Bagavadeguitá, acreditamos que muitos dos seus ensinamentos podem ser compreendidos por quem não aceita esta teoria. Em qualquer caso, Swami Vivekananda demonstrou praticamente a verdade desta teoria com a filosofia.

Uma das características do Bagavadeguitá é a sua universalidade, aliás quando foi transmitido foi considerado um ensinamento revelado que harmonizou outras filosofias, como a filosofia Sankhya (Sânquia), tão importante no Bagavadeguitá.

Como já comentamos nas páginas anteriores, o hinduísmo é certamente a religião mais tolerante com as demais, como pode ser visto na história da Índia nos últimos milênios. Viveu com Parses, Sikhs, Muçulmanos, Cristãos, Budistas, Jainistas... Sobreviveu a várias colonizações, tanto impérios como religiosos, sobreviveu ao Sultanato de Deli (1206-1526) e ao Raj Islâmico Mughal (1526-1720) . ) e ao Império Britânico; resistiu ao Islã e até o sincretizou para criar o Sikhismo; e também resistiu ao proselitismo cristão.

Porém, a Religião Eterna ainda está aí, reinventando-se constantemente.

Hinduísmo: tesouro acumulado formado por leis espirituais descobertas por diversas pessoas
Hinduísmo: tesouro acumulado formado por leis espirituais descobertas por diversas pessoas. Swami Vivekananda

O Hinduísmo aceita as demais religiões como verdadeiras. Já no antigo Rigueveda foi afirmado:

«A verdade é uma só, os sábios a chamam de diferentes maneiras»

No Bagavadeguitá encontramos o mesmo princípio quando Krishna diz a Arjuna:

«Seja como for que alguém adore, se for com fé e devoção, dessa mesma forma, eu afirmo sua fé» Bagavadeguitá VII- Ioga do Conhecimento e Realização do Brahman-21

O capítulo IV do Bagavadeguitá (Ioga do Conhecimento) começa com um dos versos mais belos e chocantes, onde podemos apreciar a tolerância do Hinduísmo com outras religiões:

Bagavadeguitá IV-7-8 Quando o mal espreita, o Senhor encarna-se para restaurar o Darma

O mal surge e às vezes domina, mas Ele sempre retorna, reencarnando em Krishna, Buda ou Cristo, para restaurar a justiça. Ao contrário do Islão (conceito de “O Selo dos Profetas”) ou do Sikhismo, estes versículos deixam a porta aberta a novos profetas, a novos homens santos. Muitos hindus acreditam na santidade de Jesus, Buda, Guru Nanak, Zaratustra...

No século 19, Sri Ramakrishna enunciou o princípio da Harmonia entre as Religiões:

Sri Ramakrishna: Tantos Caminhos, tantas religiões
Sri Ramakrishna Paramahansa. Tantos Caminhos, tantas religiões. Bagavadeguitá

O Bagavadeguitá também contém uma filosofia que foi interpretada de várias maneiras pelos grandes Acharyas (sábios) ao longo do tempo, e assim surgiram as diferentes escolas de filosofia: Advaita, Vishishtadvaita, Dvaita, Dvaitaadvaita, etc. Mas é óbvio, portanto, que todos eles surgem do Bagavadeguitá e, portanto, abrangem todos eles (Qual versão do Bagavadeguitá escolher?). Sri Ramakrishna também conseguiu unificar as diferentes seitas hindus.

É verdade que no Bactiioga (Devoção) podem existir explicações que poderiam ser consideradas dogmáticas, como os capítulos X (Ioga das Manifestações Divinas) ou o capítulo XI (Ioga da Forma Universal do Senhor). Em todo caso, nunca devemos esquecer que o objetivo de qualquer um desses caminhos ou Iogas é a União com a Realidade Absoluta Superior, como quer que a chamemos. Também é verdade que certas interpretações do caminho Bhakti incorporam novos dogmas possíveis.

O conhecimento leva à unidade, a ignorância à diversidade (Sri Ramakrishna)

Embora possa parecer que o “Tudo é Um” da Jnana-ioga, o Caminho do Conhecimento, possa ser considerado dogmático, Swami Vivekananda demonstrou que através da filosofia mais elevada e sem a necessidade de aceitar qualquer dogma, ou seja, duvidando de tudo, chegou-se à conclusão de “Tudo é Um”, que é a base da Vedanta (Jnana-ioga e Vedanta).

Como mencionado acima, nos caminhos da Carmaioga (Ação Altruísta) ou Dhyana Ioga (Caminho da Meditação no Atman) não deveria haver dogma.

Como dissemos, estas reflexões deveriam ser muito mais matizadas e foram escritas apenas como uma introdução.

Recomendamos ao estudante-buscador que, caso detecte algum dogma, estude-o, investigue-o, medite sobre ele e compartilhe-o com seu professor.



(c) Instituto Gita (IGRCY)

Instagram Livro A Ioga da Sabedoria: Bagavadeguitá - Pedro Nonell Instagram

No usamos cookies
Inicio de página